sexta-feira, 4 de junho de 2010

PREGAR O EVANGELHO: UMA DECISÃO PARA TODA A VIDA!!!

"Que pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo..." 2 Tm 4. 02


Nasci em 1958 em uma família cristã. Aceitei a Jesus como meu Salvador e Senhor de minha vida aos sete anos de idade num culto de natal, no qual meu pai, então o pastor e missionário da Convenção Batista Brasileira nomeado para Bela Vista – RJ, era o pregador. Depois das apresentações de Natal e uma breve reflexão sobre o Verdadeiro Sentido do Natal de Jesus, ele dirigiu o apelo e eu tomei a decisão de oferecer meu coração pra Jesus e dedicar-lhe a vida como pregadora do Evangelho.
Desde então, mesmo criança, eu soube que dali para frente minha primeira preocupação, deveria ser com a pregação do Evangelho. Aos nove anos fui batizada na praia de Saquarema, num dia muito frio e com muito vento, não havia uma beca de batismo que servisse em mim, lembro-me de ter usado o meu vestido mais novo que era azul da cor do céu (ou do mar) com detalhes branco (da cor da areia do mar). Naquele dia fiz um pacto com o Senhor: Quero ser uma professora missionária, a exemplo da serva que nos ensinava sobre a Palavra de Deus com gravuras em flanelógrafo. Ali aprendi sobre os "Heróis da Fé" a "Vida de Jesus", "Ministério de Jesus", "Ministério dos Apóstolos" e muitas histórias morais de cunho cristão.
Meus pais foram sempre muito cuidadosos no ensino da Palavra e muito zelosos da Fé Cristã, meu pai sempre fez o culto doméstico conosco até que cada um pouco a pouco, foi tomando rumo próprio. Meu pai era muito disciplinado, assim sendo os dias e horários para cada coisa de nossa vivencia no lar, na Igreja, na escola e lazer, eram sempre respeitados. Minha mãe gostava de ler para nós, quando crianças, à hora de dormir, história do livro "Pérolas Esparsas" que nos ensinava a pratica do viver cristão. Todos esses cuidados juntos me ajudaram na caminhada e fortalecimento daquela decisão tomada aos sete anos.
Aos quinze anos num acampamento de carnaval, ao ser feito o apelo de entrega da vida a Jesus para a obra missionária, lá estava eu outra vez, desta vez confirmando aquela decisão. Aos dezoito anos ingressava no Seminário para estudar e me preparar para a obra missionária, o meu coração ainda acalantava o sonho de ser uma "professora missionária".
Casei com um seminarista em 1981, ele formou-se e foi nomeado para o exercício do ministério pastoral, é claro que tive que acompanhá-lo, essa nova situação me impossibilitou de prosseguir os estudos no seminário, porem a vida prosseguia o curso guiado por Deus, há anos atrás, havia entregado minha vida a Jesus, eu sabia Ele estava no controle, mesmo quando eu não entendia e nem gostava ...
Tivemos filhos, passaram-se 10 anos desde que havia parado os estudos, e um dia em oração, o Senhor me falou claramente, "o seu campo missionário é o seu lar, ensine aos seus filhos". Entendi a ordem, passei a dedicar-me ao ensino sistemático e responsável dos meus filhos, pois esta era a ordem do Senhor para mim. Mas eu não poderia educá-los nos caminhos do Senhor, sem cuidar de também de seus colegas e amiguinhos, então passei a PREGAR O EVANGELHO aos pequeninos chegando a ter em minha casa uma classe de 25 crianças. Logo comecei a pregar para suas mães e familiares.
E... vida prosseguiu, muitas coisas aconteceram, fiz várias tentativas de entrar no mercado de trabalho, como enfermeira, professora ou administradora, não alcancei sucesso em nenhuma delas, embora tivesse feito cursos e me preparado. Porém, nunca deixei de pregar o evangelho, cada oportunidade era preciosa e dádiva de Deus por causa daquele compromisso - quando ainda era uma criança –. Envolvi-me arduamente nos trabalhos da Igreja e em projetos missionários de evangelismo. Somente aos 36 anos consegui retomar os estudos teológicos, sou pastora desde 2001 e, cada dia reafirmo com o Senhor aquele compromisso. Hoje tenho 52 anos, sou professora e missionária, meu único objetivo de vida é ganhar muitas almas para Jesus, digo com toda a convicção de meu coração, não há trabalho maior, não prazer maior, e não honra maior. E estou certa de que se o reconhecimento não vier nesta vida, serei honrada na eternidade pelo Supremo Senhor, pois "os que a muitos ensinam a justiça reluzirão como as estrelas, sempre e eternamente" (Dn 12. 03b).


Revdª Josélia Mota Pereira Garcia
Pastora da Igreja Metodista em Guarantã - SP

3 comentários:

  1. Clarice de Souza de Cicco8 de junho de 2010 às 14:31

    Amei o testemunho!!!
    Uma vida de muita luta, mas também de muitas bênçãos do SENHOR!!!
    Isso serve de exemplo para todos!!!
    Deus continue abençoando ricamente sua vida e de sua família!!!
    Amamos você pastora Josélia, a senhora é muito especial para nós!!!
    Beijos e abraços de Clarice e família.

    ResponderEliminar
  2. Adriana de Souza Nunes8 de junho de 2010 às 14:35

    Muito bom pastora!!!
    Um exemplo de testemunho!!!
    A senhora é uma bênção!!!
    Deus continue abençoando sempre!!!
    Amo você!!!
    Beijosssssssss!!!

    ResponderEliminar
  3. amem,Deus honrra os seus,que Deus abeçoe mais e mais sua vida pastora,anote meu e-mail:wp_lepealencar@hotmail.com
    sempre vou tirar duvida com a senhora
    fica na paz.

    ResponderEliminar