terça-feira, 25 de abril de 2017

Homem e mulher?



Quem é o homem? Quem é a mulher? Blaise Pascal, filósofo, teólogo, cientista francês, disse: “O homem é um amontoado de misérias e grandezas.” Concordo com Pascal. De fato e de verdade somos uns amontoados de misérias e grandezas. Somos capazes de fazer coisas que depois nos arrependemos, lamentamos; sem condições de voltar atrás. Mas, pela graça de Deus, também somos capazes de fazer coisas que alegram, edificam, tornam a vida melhor. A questão é quanto de miséria e quanto de grandeza nossa história revelará. Houve um rei em Israel que morreu sem deixar saudades; foi Jeorão. Sua história foi recheada de misérias: “Era da idade de trinta e dois anos quando começou a reinar, reinou oito anos em Jerusalém; e foi sem deixar de si saudades.” Podemos nos perguntar: quando morrermos seremos como Jeorão? Não deixaremos saudades? Sinceramente, espero que não. Sei, porém, que não haverá grandeza alguma em nós se não for pelo Espírito Santo. O homem e a mulher sem Deus é incapaz de qualquer ato de grandeza. Há em nós uma carnalidade miserável que precisa ser vencida pela graça de Deus e ação do Espírito Santo. Que a miséria seja minimizada e a grandeza maximizada em nós. Ajuda, Senhor!!

Foto: Pesquisa Google.

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Deus provê!?


 “E disse Abraão: Deus proverá .” Gênesis 22:8ª.



Um dos textos bíblicos que cresci ouvindo da mamãe, familiares e demais crentes foi Deus proverá. Palavra dita por Abrãao em um dos momentos mais críticos de sua vida, que carecia de muita fé para crer. Isso significava abandonar-se, corpo, alma e espírito nas mãos do Deus que ele cria. Oro, com toda a minha alma, para o Espírito Santo nos conceder a mesma fé. Ajuda, Senhor!!!

Soli Deo Glória!!!

Foto: Pesquisa Google.

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Descanso!!!





Cansaço, enfado, desânimo, tristeza, solidão, desespero, são condições emocionais que a humanidade sofre constantemente. Tudo causado por diversas situações. A Bíblia, nos ensina desde o começo, que a presença de Deus possibilita uma vida de descanso. Não quer dizer que estaremos isentos de lutas, quer dizer que a intimidade com Deus, nos capacitará a uma vida melhor. O descanso já é uma promessa que Deus faz a Moisés, para a fuga do seu povo do Egito: “Irá a minha presença contigo para te fazer descansar.” (Êxodo 33:14). Interessante notarmos que Deus não disse: - A minha presença com você não te deixará ficar cansado. Disse que a sua presença o faria descansar. Se o faria descansar é porque precisaria de descanso. Ora, Deus sabe que o homem se cansa no dia a dia. É o trabalho, as relações humanas, os desejos não concretizados, muitas coisas, cooperam para o cansaço da humanidade. Porém, Deus tem a sua graça e benção sobre nós, nos fortalecendo, animando, encorajando, para seguirmos em frente. Sem a graça de Deus é impossível viver. Sua agradável e doce presença é real na vida daquele que crê. Deus não se faz presente onde há incredulidade. Sem fé, é impossível agradar a Deus. É muito fácil compreendermos essa verdade a partir de nós mesmos. Ficaríamos porventura na presença de quem nos rejeita? Óbvio que não. Crendo em Deus, temos a sua presença em nós, dando o descanso que precisamos. Jesus confirma a tese fazendo um convite ao homem: ”Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei.” (Mateus 11:28). Para mim, um irrecusável convite de Jesus. A humanidade cansada, desanimada, ferida, oprimida, solitária, sem esperança, pode encontrar alívio para suas dores no Jesus Cristo de Nazaré, aquele que morreu, mas vive eternamente. É essa a verdade que comemoramos nesses dias na Páscoa. Uma verdade que alegra a nossa alma e nos faz aceitar o convite do Filho de Deus, que se fez homem, é o Emanuel, Deus presente que continua a nos convidar: -Vinde a mim! Respondamos sim a esse convite, levando até Ele, através de nossa oração, as nossas tristezas, desilusões, cansaços, preocupações, fadigas da alma, que cansa o nosso corpo abatido e a nossa alma cansada. Nele, encontramos alívio, força, renovo e tudo que precisamos para continuar a nossa jornada na Terra. Ajuda, Senhor!!!

Texto publicado hoje, 19.04.2017, no Jornal de Assis, Assis, SP.
Obrigada, Senhor!!!

Foto: Pesquisa Google.

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Jesus disse não!!!






Ontem, 09,04.2014, ouvi um pregador, o meu irmão de fé e amigo, Vagner, dizer que Jesus um dia ouviu até os demônios, fez a vontade deles e não ouviu o pedido de um homem. Foi a primeira vez que ouvi alguém pregar sobre isso, não atentando para o fato nas inúmeras vezes em que li e preguei sobre o mesmo texto. Fiquei impressionada. O fato está registrado no Evangelho de Marcos (Mc 5.1-20). É a história de quando Jesus atravessou o mar e chegou à Provincía de Gadara, hoje Umm Qais, na Jordânia, Quando saiu do barco, veio até ele um homem com espírito imundo, o qual morava nos sepulcros, e ainda que o amarrassem com correntes, ele não ficava em outro lugar. Foi muitas vezes preso com grilhões e ele espedaçava tudo, andando de dia e de noite, pelos montes e sepulcros, ferindo-se com pedras. Viu Jesus de longe, correu, adorou-o, e disse: “Que tenho eu contigo, Jesus, Filho do Deus Altíssimo? conjuro-te por Deus que não me atormentes.” (v.7).  Interessante notar que um homem endemoninhado adora a Jesus. Lamentavelmente, até hoje, muitos o ignoram e mais ainda, não o adoram. Jesus ordenou que os demônios saíssem dele, e os demônios pediram para que não fossem lançados fora daquela província e que os mandassem para uma manada de porcos que ali passavam. Jesus fez o que eles pediram. Saíram do homem, entraram nos porcos, mas, se precipitaram em um despenhadeiro no mar, morrendo afogados todos os porcos. Os que cuidavam dos porcos fugiram e contaram o que havia acontecido. Quem ficou sabendo da história foi ver Jesus e viram o endemoninhado assentado, vestido, em perfeito juízo, e temeram (v.15). O homem outrora cativo dos demônios, morador de cemitérios e bosques, agora está plenamente salvo, pela graça maravilhosa de Jesus. Os que testemunharam o fato pediram para Jesus ir embora. Que tragédia, ficaram com medo de Jesus prejudicar seus negócios, como prejudicou os cuidadores dos porcos. Jesus fez isso, entrou no barco para ir embora. Então, o homem liberto, pediu para ir com ele. Jesus não deixou, ao contrário, disse: “Vai para tua casa, para os teus, e anuncia-lhes quão grandes coisas o Senhor te fez, e como teve misericórdia de ti.” (v.19). Ele obedeceu Jesus. Fez o que lhe foi ordenado. Foi e anunciou nas dez cidades da redondeza (Decapolis) “quão grandes coisas Jesus lhe fizera; e todos se maravilharam” (v.20). O outrora demente, agora era um evangelista, discípulo de Jesus. Esse texto nos dá muitas lições. A tese final do pregador era que devemos dar testemunho do que Cristo fez por nós, como aquele homem gadareno o fez. Tese muito correta. Porém, hoje, eu quero chamar a nossa atenção para os nãos que recebemos de Jesus. Quando ele nos dá um não, não fazendo a nossa vontade, é porque Ele tem algo infinitamente maior para ser feito por nós. Creiamos. Ajuda, Senhor.

Texto publicado hoje, 12.04.2017, no Jornal de Assis, Assis, SP.
Obrigada, Senhor!!!

quinta-feira, 6 de abril de 2017

A ovelha encontrada




No Evangelho de Lucas, capítulo quinze, versículos um a sete, está registrada uma das parábolas mais lindas de Jesus. Veja: “E Chegavam-se a ele todos os publicanos e pecadores para o ouvir. E os fariseus e os escribas murmuravam, dizendo: Este recebe pecadores, e come com eles. E ele lhes propôs esta parábola, dizendo: Que homem entre vós, tendo cem ovelhas, e perdendo uma delas, não deixa no deserto as noventa e nove, e vai após a perdida até que venha a achá-la? E achando-a, a põe sobre os seus ombros, jubiloso; E, chegando a casa, convoca os amigos e vizinhos, dizendo-lhes: Alegrai-vos comigo, porque já achei a minha ovelha perdida. Digo-vos que assim haverá alegria no céu por um pecador que se arrepende, mais do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento.” Nesse mesmo capítulo há mais duas parábolas, a da dracma (moeda) perdida e do filho perdido (pródigo). Essas três parábolas são o resumo do Evangelho. É a descrição do Reino de Cristo, como um reino de graça e misericórdia, diferente do que criam os fariseus e escribas judeus. Com essas parábolas Jesus ensina aos discípulos o amor perdoador, misericordioso, ajudador de Deus. Vai contra toda a religião da época. O Reino de Deus é alcançado não por obras meritórias, cumprimento de lei, mas pela graça de Deus, é um presente, um dom. O apóstolo Paulo enfatiza essa verdade dizendo: “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus.” (Efésios 2.8). Essa é a base do cristianismo. A parábola ainda revela a beleza de Jesus como um pastor que cuida de suas ovelhas, indo em busca da que se perdeu. Ao encontrá-la, feliz, coloca-a no ombro. Ainda é assim hoje. Ele busca o homem que está perdido no mais absoluto caos, no pecado, nos vícios. Somos colocados em seus ombros, tratados, perdoados, curados. Ele continua levando sobre Ele, nossas enfermidades, nossos pecados, nos dando uma vida nova, cheia de graça e misericórdia. Oro, com toda a minha alma, para essa graça curadora, encontrar infinitamente mais, ovelhas perdidas, como um dia me encontrou. Ajuda, Senhor!!!


Texto publicado no Jornal de Assis, dia 05.04.2017.
Obrigada, Senhor!!!

Foto: Pesquisa Google.