segunda-feira, 18 de junho de 2018

Olhando a vida!?


Tenho ouvido falar que você pode ver um copo com água pela metade e dizer que ele está quase cheio, demonstrando com isso otimismo, ou você pode dizer que está quase vazio, demonstrando pessimismo. Machado de Assis disse que há pessoas que choram por saber que as rosas têm espinhos e há outras que sorriem por saber que os espinhos têm rosas. O apóstolo Paulo escrevendo sua epístola aos Filipenses, a Carta da Alegria, disse que aprendeu a viver contente em toda e quaisquer situação: “... porque já aprendi a contentar-me com o que tenho. Sei estar abatido, e sei também ter abundância; em toda a maneira, e em todas as coisas estou instruído, tanto a ter fartura, como a ter fome; tanto a ter abundância, como a padecer necessidade.” (Filipenses 4:11-12). Tudo depende da maneira que você vê as coisas, casos, situações diversas. A vida é permeada de diversidade. É dinâmica. Gostaria muito de ser como o que vê o copo quase cheio, igual ao apóstolo Paulo e como a que vê nos espinhos uma rosa. Porém, há dias que estou como quem disse: “não é que sou pessimista, é que sou realista”. Sim, infinitas vezes a realidade é um copo exatamente vazio. E aí, o que fazer? Já estive assim inúmeras vezes, um copo vazio, sem fé, sem esperança alguma. Em uma delas mandei mensagem para um irmão e amigo e ele disse que isso não era espiritual. Confesso que fiquei muito chateada. Porém, outro dia, novamente quando estava mal, mandei a mesma mensagem para outra pessoa e ela me disse que quando estava assim, sofrendo, triste como eu estava, simplesmente vivia o momento da dor, da tristeza, até que passasse. Ele se permitia sofrer, embora fosse difícil. Vi coragem e força nessa decisão, que eu precisaria ter também. Enfim, olhar a vida é uma incógnita. Temos reais motivos para sofrer e chorar, mas também, felizmente, temos inúmeros, incontáveis motivos para sorrir, se alegrar, superar. Assim é a vida. Também me lembro de que o lodo é solo de uma das mais belas flores: Flor de Lótus. Do sujo e fétido, as veias subterrâneas da planta extraem os nutrientes para o caule que se sobrepõe à lama, trazendo a lume uma belíssima, rara flor. As flores-de-lótus também são comestíveis. Sendo assim, podemos ficar felizes nas adversidades, delas poderão brotar as mais belas flores da existência. Se ficaremos, não sei, não posso precisar. Sei apenas que é bom saber dessas possibilidades todas. Talvez por isso Paulo tenha aprendido a viver contente em toda e qualquer situação, pois já havia experimentado o princípio eterno de que todas as coisas cooperam para o bem (Rm 8: 28).  Sabedores disso, podemos fazer da nossa curta, única vida, uma beleza, quem sabe? Todas as dores, sofrimentos, lutas, não nos abaterão; ao contrário, com nossas raízes espirituais extrairemos de tudo os nutrientes necessários para o embelezamento e sustento de cada dia a ser vivido, produzindo flores e frutos abundantemente, para o nosso deleite e de todos que nos rodeiam. De Deus vem o nosso tudo. É ele que nos ampara, socorre, nos livra de todo mal. A Ele, toda nossa oração, agradecidos por tudo. Obrigada, Senhor!!! 

 “Há pessoas que choram por saber que as rosas têm espinhos, há outras que sorriem por saber que os espinhos têm rosas!” Machado de Assis.  

Texto publicado no Jornal de Assis, no dia 13 de junho de 2028
Obrigada, Senhor!!!
Foto: Pesquisa Google.

sábado, 9 de junho de 2018

Panelaços, de novo!?

Foto: Pesquisa Google


Foi noticiado que moradores de São Paulo, Rio e Recife fizeram panelaço com gritos, apitos e muito barulho, no momento que o presidente Temer fez o pronunciamento para acabar com a greve dos caminhoneiros. O povo que estava insatisfeito com o governo Dilma, está também insatisfeito com o governo Temer. Governo que apresenta a maior taxa de rejeição no Brasil, em toda a sua história. Com uma olhada no pensamento do passado notamos rapidamente que pensamentos que eram tidos como verdadeiros ontem, hoje não o são mais. Por isso devemos sempre antes de fazer qualquer ato, público ou privado lembrar o conselho bíblico: "Examina-me, SENHOR, e prova-me; esquadrinha os meus rins e o meu coração." (Salmos 26:2). Os rins e o coração são tidos como o lugar dos desejos. Quando desejamos algo, precisamos pedir a aprovação de Deus, ouvir sua voz, direção. Isso não quer dizer que nunca erraremos e que todas as nossas decisões serão acertadas, que faremos tudo certo. Mas, é o mínimo que devemos fazer. Orar, para Deus nos ajudar em toda tomada de decisão. Eu mesma, já fiz coisas que não deram certas, mesmo tendo a impressão de estar fazendo. Um grande exemplo disso que falo é que pensamos que os jovens que foram criados na fé cristã não agem fora da lei, portanto, não são presos. Içami Tiba disse que: "Os responsáveis que levam o filho para a igreja, não vai buscá-lo na cadeia." Infelizmente, isto não está acontecendo. Sei que na prisão estão homens e mulheres, de todas as idades, que foram frequentadores assíduos de igrejas evangélicas. Eu mesma batizei um jovem que um dia matou um homem e foi para a cadeia. Fiquei muito constrangida quando me deram esta notícia. É lamentável que ocorra isto. Um cristão deveria ter um caráter ilibado e nos causa vergonha quando sabemos do mau testemunho de muitos. Com a boca proclamam a fé e com atitudes nefastas esconjuram-na. Não esperamos perfeição, pois impossível é, queremos apenas um pouco de coerência entre a teoria e a prática. Sei que não tenho condição alguma de atirar a primeira pedra, não atiro, quero simplesmente ser o mais fiel possível às exigências cristãs e às tomadas de decisões mais ajustáveis à nossa realidade. Oro com meu coração, para o Eterno nos ajudar a sermos melhores cristãos, pois “um grama de testemunho vale mais que uma tonelada de propaganda." (William W. Ayer) e bons cidadãos, que bem sabem escolher seus governantes, a fim de que o nosso país tenha tempo de paz, justiça e prosperidade. Ajuda, Senhor!!!

Texto publicado no dia 13 de junho de 2018, no Jornal de Assis.
Obrigada, Senhor!!!

quinta-feira, 31 de maio de 2018

O grito dos caminhoneiros



Vivemos estes últimos dias sob o impacto das reivindicações dos caminhoneiros. Essas reivindicações são o grito de quem comprova que “quando os honestos governam, o povo se alegra; mas, quando os maus dominam, o povo reclama. Quando o governo é justo, o país tem segurança; mas, quando o governo cobra impostos demais, a nação acaba na desgraça.” (Provérbios 29:2 e 4 – BNLH). Esse texto foi escrito há mais de dois mil e setecentos anos e é uma grande verdade presenciada hoje no nosso país, lamentavelmente. Veja bem: quando o governo cobra impostos demais a nação acaba na desgraça. Somos um país que tem alto índice de impostos. O pior é que os impostos pagos não se traduzem em bem estar para a população. Não podemos mesmo como brasileiros tolerar essa situação. Os caminhoneiros estão gritando. Quem sabe outros comecem a gritar também, até que todos sejam ouvidos. Precisamos de mudanças radicais no Brasil. Precisamos ser governados por homens honestos, que amem a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a si mesmo. Amando a Deus obedecerão a sua lei, consequentemente a paz e a justiça andarão juntas (Salmos 85.10). Nesse momento também temos ouvido muitas pessoas querendo a intervenção militar, nome pomposo para outro golpe militar. Não, isso é inadmissível. Tortura no Brasil Nunca Mais. Os anos de 1964 a 1979 foram anos de tristeza e dor para o povo brasileiro. Houve muita tortura e assassinato. Não podemos desejar isso. Estão tentando pintar a realidade do período, chegando a dizer que não houve ditadura. Tenham dó. Dizer que o Regime Militar não foi ditadura é uma das maiores tolices que tenho que ouvir. Estamos frustrados com os últimos políticos, porém, não devemos chegar ao ponto de querer de volta o que foi ruim para o nosso país. Entendo que é tempo de oração, clamor a Deus, sabedoria e discernimento para elegermos pessoas íntegras, comprometidas com o bem estar de todos os brasileiros. Com toda a minha alma eu clamo pelo lugar de nossa habitação, nosso Brasil. Ajuda Senhor!!!

Texto publicado no Jornal de Assis, dia 30 de abril de 2018.
Obrigada, Senhor!!!


Foto: http://ondasulfm.com/index/noticia/greve/hoje-greve-dos-caminhoneiros-bloqueia-rodovias-em-varios-estados,2878.html

segunda-feira, 21 de maio de 2018

Alguém que já foi moço!!!

Sra. Jandira e José Amorim



Tenho a alegria de levar a Ceia do Senhor para o Sr. José Amorim. Ele está perto de completar 90 anos. É alegre, comunicativo, muito crente. Toca seu violão e canta como poucos. Sua esposa Jandira, pouco mais nova que ele, recebe todo o seu zelo e cuidado, ao ponto de não deixá-la sozinha hora alguma. Eles não esquecem o dia que se encontraram em Mandaguari, PR, há mais de 70 anos. Ela, com um lindo vestido verde chamou a atenção do jovem Zézo. Diz ele que achou o vestido muito bonito. Nada disso, ele achou foi a Jandira muito bonita. Deu logo um jeito de falar com ela e pedi-la em casamento. A irmã e amiga Delzi, de quem falei outro dia, sempre vai comigo. Uma das suas filhas, a Eva ou a Sueli, sempre estão lá cuidando deles e da casa. Quando chegamos a roda de boa conversa começa, sem tempo para acabar. São tantas historias contadas. Na sua maioria para testemunhar tudo que Deus fez no passado e no presente. Com isso, crescemos na fé. Na segunda-feira, dia 16 passado, foi um desses dias. Marcou-me o que a Eva disse: “Vamos vendo pouco a pouco o que Deus tem feito em nossa vida.” Jamais me esquecerei dessa profissão de fé. Concluímos que é assim mesmo. Pouco a pouco, contemplamos o agir do Pai, em nossa vida. O Sr. José Amorim já foi moço, mas é testemunha fiel, juntamente com a Dona Jandira, que Deus age na vida daquele que crê. Como o salmista ele pode dizer com propriedade: “Fui moço, e agora sou velho; mas nunca vi desamparado o justo, nem a sua descendência a mendigar o pão” (Salmos 37.25). Pelas suas histórias de coragem, determinação, concluo que como o grande escritor William Shakespeare aprendeu também que “nossas dúvidas são traidoras e nos fazem perder o que, com frequência, poderíamos ganhar, por simples medo de arriscar”. Sem medo, saiu de Mandaguari, arriscou tudo saindo de lá, para vir para Campinas. Não se arrependeu. Encontraram espinhos no caminho, porém, as flores foram a maioria. Deus esteve e está com ele e toda a família. Por eles dou graças ao Pai. Obrigada, Senhor!!!

Texto publicado no Jornal de Assis, no dia 18 de abril de 2018.
Obrigada, Senhor.
Foto de Sueli Amorim.