segunda-feira, 29 de abril de 2013

Dezessete anos de dor!

"O meu coração está dolorido dentro de mim, e terrores da morte caíram sobre mim." Salmos 55:4.


Hoje, faz 17 anos que ocorreu o acidente trágico em que morreram, na hora, minha amiga Creuza (38) e minha filha Taciana (12). Alguns dias depois, 08 de maio, faleceu a outra filha, Natália (14), que tinha ficado até então na UTI. Eu, sobrevivi com muitas quebraduras (http://pt.scribd.com/doc/56151903/Vitoria-Sobre-a-Tragedia-Pra-Railda-Marinho). Não tem sido fácil. A dor é muito grande, palavras são insuficientes para descrever. Porém, Deus cuida de nós. Nos momentos de maior angústia e tristeza, nossos joelhos se dobram, nossa alma clama por consolo dos céus. Lamento muito, peço perdão ao Pai, mas, às vezes, penso que seria melhor ter morrido também. Contudo, não foi isso que aconteceu, assim, é necessário encarar a vida, ir em frente, lutando contra as emoções, as fazendo servas e não nossas donas. Perguntei ao meu irmão Jairo se lembrava que dia era hoje, ele respondeu: "infelizmente sim". Como poderia esquecer? Não há como esquecer o dia em que uma faca afiada entrou cortando em nossos corações. Temos nossos corações partidos, quase moídos por tanta dor. Todavia, o melhor de tudo é que Deus está conosco, como disse João Wesley, nos sustentando, nos fortalecendo, ajudando na caminhada. Agradeço ao Eterno por tudo. Obrigada, Senhor!

“Pode-se sobreviver a tudo hoje em dia, exceto à morte.” Oscar Wilde.

Foto: Pesquisa Google.

sábado, 27 de abril de 2013

Viver é o grande desafio!

"Porém, se o homem viver muitos anos, e em todos eles se alegrar, também se deve lembrar dos dias das trevas, porque hão de ser muitos. Tudo quanto sucede é vaidade." Ec 11.8.

 

Viver bem, apesar de tudo, é o maior desafio para aqueles que têm sofrido, passado por grandes perdas e até tragédias. Ouvi, nesta semana, palavras tristes da mãe de uma dentista, Dra. Cinthya Magaly Moutinho de Souza, que foi morta, queimada, pelos ladrões que entraram em seu consultório, em São Bernardo do Campo, SP. Ela disse que os ladrões destruíram a sua família. De fato, foi isso mesmo que eles fizeram, destruíram uma família. Mas e agora? A vida continua, não dá para morrer também. Hoje, na reunião de Intercessão pela cidade, onde reunimos com irmãos de mais duas denominações, Metodista Wesleyana e Presbiteriana Independente, oramos por aquela família. Mas, quantas famílias estão vivendo assim? São muitas, no Brasil e no mundo inteiro. Creio que a graça de Deus ajudará esta mãe. De uma forma ou de outra, o Senhor a fortalecerá, renovará suas forças para dar prosseguimento à sua vida. Eu creio! Clamo por esta mãe, sua família e todos os que estão sofrendo hoje. Ajuda, Senhor!!!

“A vida é uma comédia para os que pensam e uma tragédia para os que sentem.” Horace Walpole.

Foto: Pesquisa Google.

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Nas páginas da Bíblia!



Mexendo, nas coisas guardadas da minha mãe, encontrei a Caixinha de Promessas muito antiga, que ela herdou do meu avô, seu pai, Sr. Juca Marinho. Posso imaginar que esta Caixinha tenha no mínimo 40 anos, porém, as palavras que nela contém são sempre novas. Como de costume retirei uma promessa e li: "Pelas carreiras direitas, te fiz andar.  Por elas andando, não se embaraçarão os teus passos; e, se correres, não tropeçarás." (Prov. 4: 11 e 12). Foram palavras doces para mim. De fato, Deus tem me mostrado o caminho a seguir, a promessa é de não tropeçar e nem serem embaraçados meus passos, se por ele eu andar. Não resisti e peguei outra promessa: "Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na angústia." (Sl 46: 1). Outra bela promessa. Deus é o nosso refúgio, a nossa fortaleza, socorro presente na angústia. Como sempre, fui edificada pela Palavra de Deus. Nas páginas da Bíblia encontramos tudo que precisamos. São elas que trazem vida para a nossa vida, nos conduz aos céus e é no céu que nós iremos morar para toda a eternidade. Quando gastamos nosso tempo com a televisão, com a internet, com leituras não edificantes e tantas outras coisas e não lemos a Bíblia estamos perdendo muito. O resultado será tristeza, engano, depressão. Na leitura da palavra de Deus está o nosso crescimento, sustento espiritual e força da fé. Deixar de ler a Bíblia sistematicamente é um grande erro que devemos evitar. O risco é muito grande, ela nos afasta do pecado. Sejam nossos corações cheios de amor pela Bíblia, dela tenhamos sede e sejamos saciados pelo Espírito Santo, em nome de Jesus.

Foto: Pesquisa Google. 

Volta às aulas!

"Porque tudo o que dantes foi escrito, para o nosso ensino foi escrito, para que pela paciência e consolação das Escrituras tenhamos esperança." Romanos 15.4.

 Rev. Dr. Willian Lacy Lane


Iniciamos, hoje, mais uma semana de aula presencial do Mestrado em Missiologia, na MISPA - Missão Priscila e Áquila, Assis, SP/Seminário Presbiteriano Renovado de Cianorte, PR (http://mispamissoes.wix.com/mispa#!empa/c1mj). "Estamos aqui aprendendo para servir no Reino", foram palavras inspiradas, ditas pelo colega Rev. Valdecir. É isso mesmo, aprender para melhor servir. Que o Espírito Santo nos auxilie, nos dê sabedoria para nosso crescimento. A disciplina é Teologia Bíblica da Missão, o professor é o Rev. Dr. Willian Lacy Lane. Como sempre, está sendo gratificante. Rever os colegas, aprender mais, é renovador. Dou graças ao Eterno por esta rica oportunidade. Obrigada, Senhor!

"A missão encarnacional de Cristo baseia-se no amor, na compaixão, e transtorna todos os modelos pecaminosos de relacionamento, moldando-os segundo os parâmetros da graça de Deus" Lícia Rosalee.

sexta-feira, 19 de abril de 2013

Vida e morte!!!


Quando, um general romano voltava da guerra, trazia as cabeças dos inimigos mortos e os vivos de elite presos para serem exibidos como prova do êxito e da grandeza. Era feito uma passeata pela cidade mostrando a grande conquista para o povo. Porém, os romanos também tinham a cultura de não serem soberbos, de não se mostrarem além do ser humano comum, por isso, havia um servo que ficava atrás do vencedor, encarregado de dizer "memento mori" ,  que quer dizer lembre-se que você vai morrer. Assim, o general era lembrado da sua condição de mortal, homem comum. A humanidade teme a morte, nem gosta de falar dela, tenta escondê-la o mais possível, ficando da mesma o mais longe possível, porém, inútil é. A única certeza que temos na vida é que um dia morreremos. O sábio, do livro de Eclesiastes, diz: "há tempo de nascer e tempo de morrer" (Eclesiastes 3: 2a) e "todos vão para um lugar; todos foram feitos do pó, e todos voltarão ao pó" (Eclesiaste 3: 20). A morte iguala a todos, é sobre pobres, ricos, negros, brancos, igualmente. Conscientes desta verdade podemos fazer da nossa vida algo mais útil, que valha a pena para nós mesmos e para a sociedade. Se bem sabedor de sua mortalidade e limitação o homem seria melhor. Aproveitaria o tempo de vida com o que vale realmente a pena, não ficaria preso a coisas superficiais, questiúnculas que promovem o sofrimento e leva a uma existência medíocre e inválida. Billy Graham bem disse: "É estranho que os homens se preparem para tudo, exceto para a morte. Nós nos preparamos para a instrução. Preparamo-nos para o trabalho. Preparamo-nos para nossa carreira. Preparamo-nos para o casamento. Preparamo-nos para a velhice. Preparamo-nos para tudo, exceto para o momento em que vamos morrer. E, no entanto, a Bíblia diz que estamos todos destinados a morrer um dia." Cada dia, cada minuto, cada segundo que vivemos é uma grande dádiva, concedida pela graça do Eterno, o senhor doador do sopro vital. Agradecidos, podemos viver com mais responsabilidade, sendo, cada amanhecer, uma promessa de um novo dia a ser vivido com galhardia, porém, com consciência da nossa finitude. 

terça-feira, 16 de abril de 2013

Vitória sobre a dor!

 "E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito." Rm 8. 28.




Na  vida temos algumas vitórias e algumas derrotas. As vitórias são amplamente desejáveis, agradáveis, compartilhadas. As derrotas são exatamente ao contrário, indesejadas, desagradáveis e em sua maioria sofridas na solidão. Não queremos, não esperamos, não compartilhamos as derrotas, porém, são elas que nos ensinam, nos tornam totalmente dependentes de Deus. Ai de nós, se não fossemos às vezes derrotados, seríamos infinitamente orgulhosos, soberbos, desagradáveis, ao ponto do insuportável. Os sonhos não realizados, as esperanças frustradas, as dores na alma, nos fazem certos de nossa fragilidade e limitação pessoal. Nos aproximamos mais de Deus nos nossos momentos de dificuldades, embora não devesse ser assim. Sempre que nosso coração chora ele se curva diante do sobrenatural, reconhecendo a limitação humana, buscando consolo divino. No momento da luta, reconhecer que o episódio que aconteceu e nos faz sofrer cooperará para o nosso bem é prova de fé com maturidade espiritual, o que nos dará equilíbrio emocional e cooperará para a solução ou enfrentamento das circunstâncias que estão nos abalando.   

“Vencer não é competir com o outro. É derrotar seus inimigos interiores.”  Roberto Shinyashiki.

Foto: Pesquisa Google.

segunda-feira, 8 de abril de 2013

É comigo!


"... sou eu guardador do meu irmão?" Gênesis 4: 9.


Quando assistimos o noticiário ficamos estarrecidos com as barbáries do ser humano. Penso que pior que os acontecimentos é nós nos acostumarmos a eles, achar que é normal, não estranhar, pensar que não temos nada com isso. Não é verdade. Temos tudo a ver com o que acontece ao nosso redor e na sociedade. Podemos e devemos mudar a história, com atos menores, nos lugares que vivemos e influenciando, lutando, para atos maiores de governo. Se todos não pensassem assim: "isso não é comigo", com certeza a vida seria diferente. O mundo é nosso campo de trabalho. Que o Eterno nos capacite para a obra. Ajuda, Senhor!

“Temos aprendido a voar como os pássaros, a nadar como os peixes, mas não aprendemos a sensível arte de viver como irmãos.” Martin Luther King.

Foto: Pesquisa Google.

sábado, 6 de abril de 2013

Confiança em Deus!

"Se o SENHOR não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam; se o SENHOR não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela." Salmos 127. 1.



Tenho um grande amigo que me disse que não tem o direito de não acreditar em Deus. Ele testemunha inúmeras experiências que indicam o agir divino em sua vida. Concordo com ele, também não posso duvidar do Senhor. Muito ingrata seria, caso não reconhecesse que o Eterno tem me ajudado tanto. Dizer que fui eu mesma quem fiz, que foi o acaso, a coincidência, é tolice. Eu, o acaso, a coincidência não teriam poder para tanto, com certeza. O salmista diz: "Se o SENHOR não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam; se o SENHOR não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela." (Salmos 127. 1). Essa palavra nos dá a noção da verdade. Não adianta o homem fazer tudo que estiver ao seu alcance se não tiver a benção divina. Penso que cada dia pode ser uma experiência mais saudável se orarmos entregando nossas vidas ao Pai, com palavras sinceras, como se tivéssemos falando com nossos pais, sem medo, com intimidade. A nossa paz e tranquilidade, depende, do quanto confiamos em Deus e tenhamos comunhão e intimidade com Ele.

Foto: Pesquisa Google.